Minhas leituras: A Fúria dos Reis. As crônicas de gelo e fogo

A-Fúria-dos-Reis-As-Crônicas-de-Gelo-e-Fogo-II

Vou falar um pouco sobre o segundo livro que terminei de ler este ano. A Fúria dos Reis.

Continuações são complicadas. O desafio de expandir um mundo de ficção, criar novos personagens e tramas, fazer a ponte entre o começo e o fim de uma saga, são desafios que poucos escritores conseguem superar. Isto em histórias “normais”. O primeiro livro da série mesmo com todos os problemas referentes a uma trama complexa, consegue terminar deixando uma agonia profunda no leitor que fica ansiando para poder conhecer o desfecho da saga.

Neste ponto, pode-se dizer que o segundo livro das crônicas de gelo e fogo é uma continuação extremamente bem sucedida. Considero porém, que não é melhor que o primeiro livro da série. Vou deixar isso mais claro…

Motivação

Bem, o primeiro livro foi de uma leitura intensa  e provocativa. Confesso que acabei terminando com o livro bem mais rápido do que imaginei e ainda assim, nas últimas páginas já me batia uma agonia sobre o futuro da saga.

Sendo assim, tive de enrolar para terminar o livro enquanto o próximo não chegava.

 

Impressão

O início foi novamente complicado devido a apresentação de novos personagens. Aquele mundarel de nomes, títulos da nobreza e explicações “históricas” pode te deixar um pouco perdido.

Este livro ficou ainda mais centrado nas atividades e relacionamentos entre os personagens, trazendo um clima bem político a trama.O teor, as traições, as ligações nas entrelinhas, tudo ainda está lá. No entanto, existe uma diferença crucial que muda toda a dinâmica do que era a Guerra dos Tronos. Um elemento antes claramente desprezado por Martin, colocado de maneira selvagem e descarada neste livro. Um nascimento tão simples e óbvio que se torna cada vez mais inusitado quanto mais é descrito para você, leitor aventureiro que sem embrenha nas terras de Westeros até além da muralha.

Este elemento é o ponto principal para a transição na trama…

 

E sabe que elemento é este?

Este elemento é a magia.

Pois bem. Wasteros é um mundo onde a magia morreu. Essa idéia, vendida no primeiro livro quase até o ultimo ponto (e que só morre no último parágrafo!) faz com que você desacostume com a idéia de ver a magia aqui. Mais que isso, você, assim como a maioria dos personagens deste fabuloso romance, seesquece da magia. No entanto, lá esta ela, em A Fúria dos Reis, viva, dando seus primeiros passos novamente. E ver a magia nascendo é uma experiência diferente. Ela é mais obscura. Perigosa. Selvagem até. Não é algo que se deseje novamente no mundo, pois antes que todos tenham tempo de dominá-la novamente, criaturas que deveriam dormir pelo resto de seus tempos acordarão junto com ela.

Enfim, é possível perceber a magia no ar… acontecimentos inexplicáveis vão deixando até mesmo o mais cético dos personagens com a pulga atrás da orelha.

De forma consistente e gradativa – muito inteligente no meu ponto de vista – R.R.Martin vai impondo a sua magia no livro.

 

Ass copy

 Uma ótima leitura a todos…

  Twitter: @vitormeriat

  Email: vitormeriat@gmail.com

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s